sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Para todos um Santo Natal

 
Agora vou mergulhar na azáfama de Natal pois tirei a tarde de férias. Vou comprar as couves e as batatinhas na frutaria. De seguida vou ao super comprar todas as coisas que faltam. Depois vou me recolher a casa, vou fazer as sobremesas e domar três pilhas de roupa que tenho por passar a ferro. Feliz Natal!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Natal é: tempo de visitar os doentes

Eu ando sempre a correr do lado para outro. É o trabalho, a casa, os miúdos, o estudo do miúdo, as actividades do miúdo, a doença, etc. Pelo fico com pouco tempo para visitar os meus doentes. Assim, nesta quadra em vez de embarcar na loucura das compras de Natal vou visitá-los. Posso não ter as prendas todas até à véspera de Natal mas pelo menos lembrei-me da minha família e dos meus amigos que estão a passar um mau bocado.
Assim, no Domingo fui visitar uma prima do meu marido que já é velhota, partiu pela segunda vez um braço, faz hemodiálise e está um bocado combalida. Ela ficou contente com a nossa visita e adorou os bombons de chocolate que lhe levámos. Viu-se mesmo que ela ficou feliz.
E ontem fui visitar uma amiga minha que está com depressão profunda há mais de 3 anos pois foi vítima de moobbing no trabalho. Fiquei satisfeita de a ver, ela entretanto já fez duas apresentações para apresentar a um congresso e está a pensar voltar à vida activa noutros moldes.
Hoje vou ligar à minha tia M. que está longe e foi operada ao apêndice.
Penso que nos devemos lembrar dos nossos doentes todo o ano mas quando isso não é possível pelo menos nesta altura. Isto é que é Natal.

Natal é: tempo de fazer concessões

Eu gosto de decorar a árvore de Natal com pequenos anjos, pais natal, bolas, corações e outras pequenas minuaturas. Gosto também de envolver a árvore com cordões e não com fitas. Acho fitas coloridas e brilhantes uma coisa um bocado pirosa. Por isso todos os anos é uma guerra por causa da decoração de Natal, uns querem fitas e bolas brilhantes, eu quero cordões e coisas fofinhas. Assim, este ano, a bem da família, a decoração ficou a cargo do pimentinha, temos muitas fitas e bolas pirosas na árvore, fitas por cima da porta da sala, fitas por cima do espelho da entrada, fitas por cima dos quadros e o must, uma matrioska de pais natal de chocolate.

 
Desta forma, este ano não temos um Natal como veio do meu imaginário infantil mas ao gosto da criança da casa. Está muito piroso mas ele está feliz...

Natal é: Partilha

Nós vivemos a 300 km da minha família. Assim, um ano o Natal é com a minha família e o outro ano é com a família do meu marido. Este ano o Natal vai ser com a família do meu marido e vai ser todo na minha casa. Já planeamos tudo. O meu cunhado P. vai trazer o Bolo Rei, um queijo XPTO, presunto, camarões e a vinhaça. A minha cunhada traz filhoses feitas por ela, patés, o borrego assado, as couves e três sobremesas. Pela nossa parte contribuímos com o bacalhau, umas batatas muito boas, uma canja de perdiz, azevias, sonhos, rabanadas, broas, mais queijos, sapateira, salmão fumado, pinhoada, bolo de Natal e mais outras coisinhas. Estamos todos entusiasmados. Vai ser um Natal com muita comidinha, muito convívio, muita harmonia e bocado cigano pois vamos prolongar o mais tempo possível. Feliz Natal!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Eu bipolar me confesso

Ontem fui me confessar. Havia mais de 22 anos que não o fazia. Estava apreensiva, muito por causa dos pecados que tinha praticado quando estive psicótica e em hipomania. Estes pecados foram graves, tanto à luz da Igreja como da sociedade em geral. Estava cheio de receio mas determinada principalmente porque a minha última crise me fez reaproximar de Deus e da Fé e só faltava a confissão para estar bem comigo mesma. E lá fui, o Padre foi superatencioso, compreendeu os meus problemas, disse-me três vezes para eu ter cuidado com a medicação e não a deixar de a tomar, pordoou os meus pecados e como penitência mandou-me ler uma passagem da Bíblia e meditar sobre ela. Por fim mandou dizer o Ato de Contrição que eu não sabia de todo mas ele ajudou-me a dizer. Foi fixe, vim mais aliviada e confiante com a segurança que a minha Igreja tem espaço para pessoas como eu e as compreende. 
Mas fiquei a pensar, se hoje em dia a Igreja Católica não tem problemas em aceitar doentes mentais o que falta à nossa sociedade para o fazer? Porque razão ainda somos vistos como uns tolinhos e não como pessoas que tem um problema de saúde crónico?

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Em depressão

Depois da euforia a queda. Não me apetece levantar, não me apetece agarrar o projecto que tenho entre mãos, não me apetece comentar os blogs que sigo. Não me apetece nada, nada... E estamos a duas semanas do Natal e eu não tenho nada preparado. E isto...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Dona de casa em hipomania


Neste momento não tenho uma única meia ou cueca por dobrar ou arrumar. Toda a roupa que secou hoje já está passada a ferro e guardada no sítio certo. No fim de semana passado, passei toda a roupa que tinha acumulado durante quatro semanas por causa da depressão. Hoje dei uma volta ao escritório e deitei fora o conteúdo de três caixas das mudanças de casa que fizemos em 2005. Tenho um cachecol para o puto do Trevo que estou a fazer em malha bem adiantado.

No trabalho terminei dois projetos e comecei outros três.

Estou em hipomania é verdade mas não tem sido como não outras vezes. Não tenho andado a fazer compras estaparfúrdias. Não tenho andado a conduzir feita doida. Enfim, não tenho andado a fazer avarias. Mas tenho andado com muitas insónias. Felizmente não tenho tido muito sono durante o dia e tenho me aguentado.

O que é certo é que tenho a casa muito mais arranjadinha. E assim, até sabe bem estar em hipomania.

A nossa aldeia da roupa branca

Nesta casa existe, um gato, aliás um gatinho, que adora "roubar" roupa nos quartos e estendê-la no tapete grande do hall de entrada. Outras vezes rapta os esfregões e panos do lava loiças e espálha-os no tal tapete. O resultado destas malandrices é uma espécie de aldeia da roupa branca na entrada da casa.