domingo, 11 de setembro de 2016

Cartas de guerra


"Cartas de Guerra" é um filme lindo (se é que lindo se pode usar) sobre a guerra, a separação, a força de carácter e as fraquezas humanas. É um filme a preto e branco mas em que sabes todas as cores. A cor verde-rubra da nossa bandeira, a cor verde das fardas e dos veículos militares, a cor chocolate dos angolanos, a cor dos hits do princípio dos anos 70.
Quando a história deste filme começa, em Janeiro de 1971, eu tinha um ano. Por isso lembro-me e não me lembro do contexto em que se passa este filme. Por exemplo, ainda hoje sei como o meu pai ficou traumatizdo com o princípio da guerra no Uíge, como o meu primo J. não resistiu psicológicamente à guerra e depois passou a vida, até morrer, em largas temporadas no Júlio. Como o A.J. se tornou violento e com isso destruíu o seu casamento e não viu crescer os seus filhos. Este filme não é só sobre o Doutor António, é sobre um bocadinho de todos os que participaram indirectamente ou directamente na guerra colonial e também para os que vieram depois desses tempos.
Despois tinha uma certa curiosidade em ver este filme porque nos meus intermináveis anos de consultas no Miguel Bombarda conheci o Dr. António, este Dr. António ao vivo e a cores. Ali o Dr. António não era só um sobrevivente da guerra mas também ajudava pessoas como eu a sobreviver. Ele escutava com os seus olhos azuis vivos os pacientes enquanto acompanhava as histórias deles fumando cigarros acesos uns nos outros. E eu e a minha psicóloga, que tinhamos consulta de psicoterapia na mesma sala onde ele tinha estado a dar consulta de psiquiatria toda a manhã, ficavamos honradas com tal previlégio de partilhar o mesmo espaço com tal génio mas também com a roupa toda empestada de tabaco e tinhamos que abrir as janelas centenárias mesmo que fosse em pleno inverno.
Claro que também tenho uma curiosidade em ler a sua obra e já fiz várias tentativas porém não é fácil. A temática da guerra colonial é um tema caro para minha família e principalmente para a minha sensibilidade bipolar. Por isso uma boa primeira forma de abordar o tema é assistindo a este filme. E este filme é muito bom. Aconselho...

1 comentário: