quarta-feira, 19 de março de 2014

Pais

Um tem os olhos azuis de um céu de Agosto. O outro uns olhos verdes em tons de Outono. Ambos têm as cabeças polvilhadas por brancos que o adn encarregou-se de trazer. Um escolhi. O outro tornou-se pai no momento em que nasci. Os dois tecem uma corrente que liga os filhos ao seu ser como se o ventre fosse deles. São presentes, sempre presentes. Um é o meu Pai o outro é o Pai dos meus filhos.

Sem comentários:

Enviar um comentário